O ÓDIO QUE VOCÊ SEMEIA (Angie Thomas)

"Qual o sentido de ter voz se você vai ficar em silêncio nos momentos que não deveria"

Livro incrível e necessário. A autora se baseou num fato real para criar uma história que é envolvente do inicio ao fim. Merecidamente o livro ganhou prêmios e figurou em primeiro lugar na famosa lista de livros do New York Times.

Em O ódio que você semeia acompanhamos a vida de Starr, uma adolescente de dezesseis anos, negra que mora num bairro negro. Vale lembrar que nos Estados Unidos ainda é comum encontrarmos bairros onde a população é predominantemente negra. No entanto Starr estuda em uma escola em outro bairro, um bairro branco e ela acaba tendo que manter posturas diferentes. No bairro em que vive ela pode ser ela mesma, mas na escola ela se esforça para ficar o mais neutra possível e não ter atitudes que seriam descritas como a da "menina negra do gueto". Esses dois mundos de Starr não se misturam, os amigos do bairro não conhecem os amigos da escola, ela faz questão de manter tudo separado.

"As vezes você pode fazer tudo certo, e mesmo assim as coisas dão errado. O importante é nunca parar de fazer o certo."

A vida de Starr muda no dia em que ela vai a uma festa no bairro em que mora. Starr não costuma a ir nessas festas, mas nessa especificamente ela acaba indo e encontra Khalil, um amigo que infância que ela não via a algum tempo. Os dois conversam e fica claro que mesmo estando afastados a amizade entre eles continua forte, afinal eles foram melhores amigos durante muito tempo. Uma confusão rola na festa e os dois vão embora, Khalil oferece uma carona para Starr e ela aceita. No meio do caminho o carro é parado por um policial e é ai que o mundo desaba. Khalil é assassinado pelo policial, sem ter feito nada demais e Starr presencia tudo. Khalil é um menino negro de dezesseis anos, estava desarmando e leva três tiros nas costas disparado por um policial branco.

A partir dai Starr passa a ter que lidar com muitas coisas e não para de se perguntar porque o policial atirou, afinal eles não fizeram nada. Por ser testemunha Starr é chamada para depor, ela tem medo, mas aceita ir para que Khalil tenha justiça, só que essa justiça não acontece. A partir dai uma serie de protestos começam a tomar conta da cidade e Starr decide dar a cara a tapa e levar o caso a julgamento, ela vai depor e fazer de tudo para que seu amigo tenha justiça.

"Khalil foi silênciado, mas vamos nos juntar e fazer com que nossas vozes sejam ouvidas em seu nome."

É muito interessante acompanhar a vida de Starr  e entender como é ser negro em meio a uma sociedade racista. Os personagens secundários também são muito interessantes, a questão das gangues e do trafico de drogas estão presentes no livro, além de varias referencia a musicas, series e cultura pop. Enquanto esta na escola também acompanhamos o relacionamento de Starr com as amigas e com Chris, seu namorado branco.

"O namorado de Maya, Ryan, por acaso é o outro único menino negro do segundo ano, e todo mundo espera que a gente fique junto. Porque, aparentemente, se nós somos só dois, temos que participar de alguma p**** estilo Arca de Noé e fazer par para preservar a negritude de nosso ano."

É um livro sensacional, a leitura flui muito rápido, não dá para parar de ler. É um verdadeiro tapa na cara da sociedade, uma história tão realista que não tem como você não parar no meio da leitura para refletir sobre aquilo que leu.



Nenhum comentário:

Postar um comentário