Curiosidades literárias # 1 - O PEQUENO PRÍNCIPE

Olá, estou começando mais um sessão aqui no blog onde vou falar um pouco da história por trás dos livros. Pra abrir esse novo quadro escolhi um clássico que encanta crianças e adultos e todas as idades: O pequeno príncipe.


O PEQUENO PRÍNCIPE
Titulo original: Le petit prince
Autor: Antoine de Saint-Exupéry
Ano de publicação: 1943


IDEIA

O verdadeiro nome do autor era Antoine Jean-Baptiste Marie Roger Foscolombe, e ele possuía um titulo de nobreza que lhe dava o status de Conde de Saint-Exupéry. Sim, ele era um conde, mas trabalhava como aviador e fazia entregas postais.

Nos anos trinta a situação financeira de Aintoine não estava muito boa, mas mesmo assim ele decidiu comprar um avião. O Ministério da Aeronáutica da França oferecia um premio de 1.500 francos a quem conseguisse bater o record de tempo no trajeto Paris-Saigon. 

Com a situação financeira bem delicada (chagaram a cortar a luz e o gás de seu apartamento), Antoine decidiu tentar o premio. Ele e um navegador levantaram voo e partiram, mas o avião deu pane e acabou caindo no deserto Saara onde eles passaram quatro dias sozinhos, com fome, desidratados e tendo alucinações até serem resgatados por um beduíno. Daí surgiu a ideia para a história de O pequeno príncipe.

Apesar de ser francês o livro foi publicado primeiramente nos Estados Unidos. Ele foi escrito durante um exílio do autor nesse país e só foi lançado na França dois anos depois.



A ROSA

Antoine conheceu sua esposa, Consuelo, em uma viagem que fez a Buenos Aires, Argentina. Ele se encantou com a jovem e a levou para voar em seu avião. Nos ares, Aintoine pediu a mão da moça e um beijo, isso mesmo, ele a pediu em casamento no mesmo dia em que se conheceram. Consuelo negou (a mão e o beijo) e Antoine simplesmente desligou o avião e o deixou caindo em parafuso até que ela disse sim. O beijo aconteceu naquele dia, mas o casamento somente anos mais tarde.

A rosa que tanto tosse na história do pequeno príncipe é uma referencia a Consuelo, que sofre de asma. A rosa é frágil, mas de personalidade forte e é assim que Antoine descreve sua esposa. O relacionamento de Antoine e Consuelo foi marcado por diversas idas e vindas.



A RAPOSA

É muito provável que a sábia raposa que aparece na história tenha sida inspirada por um feneco, uma especie de raposa tipica do deserto. Durante o acidente no deserto do Saara, o autor encontrou uma dessas e isso o teria inspirado na criação da personagem.

ASTEROIDE B612

Consuelo nasceu em Armênia, uma cidade de El Salvador, pequeno país da America central. Antoine conheceu a terra natal da esposa e tudo leva a crer que a paisagem do asteroide B612 é a mesma que se tem ao sobrevoar Armênia. Do alto é possível avistar três vulcões além de frondosas árvores, assim como os Baobás e os Ceibas que lemos nos livros.

BRASIL

Antoine de Saint-Exúpery fez diversas escalas no Brasil na época em que trabalhava no correio aéreo. Uma dessas escalas foi em Florianópolis, onde conheceu um pescador que tinha dificuldade em pronunciar seu nome e por isso o chamava de "Zeperri". Inspirado nesse encontro o filho do pescador construiu uma pousada na praia do Campeche e a chamou de Zeperri. A pousada conta com um pequeno memorial homenageando o escritor.
No livro "Voo noturno" escrito por Saint-Exúpery em 1931 o autor cita a cidade de Florianópolis.



O FIM

Em 31 de julho de 1944 Antoine partiu da ilha de Córsega num voo de reconhecimento do território francês ocupado pelos nazistas, mas o avião foi abatido por um piloto alemão. Horst Rippert assumiu ser o autor dos disparos que derrubaram o avião e quando soube que era Antoine de Saint-Exupéry quem estava a bordo lamentou, pois era fã do escritor. Os destroços do avião só foram encontrados 60 anos depois, no mar mediterrâneo, mas o corpo do escritor nunca foi achado.


Muito do que se sabe sobre a vida do autor veio de suas cartas. Ele passou a vida toda trocando cartas com a mãe, amigos e esposa. No dia em que conheceu Consuelo escreveu para ela uma carta de mais de 40 páginas. A ultima carta que o autor escreveu para a esposa chegou dois dias após a queda do avião e dizia:
"Consuelo, eu preciso de suas cartas assim como preciso de pão para viver. Você é meu doce dever, eu gostaria de poder te amparar. Eu só quero dizer que eu te amo. Tenha certeza de que meu amor por você é tão resplandecente como a luz do sol".


FATOS RÁPIDOS

- Com versões em 243 idiomas e dialetos  O Pequeno Príncipe é a terceira obra literária mais traduzida no mundo.

- A primeira edição brasileira foi lançada em 1954 e foi traduzida pelo monge Dom Marcos Barbosa, da Academia Brasileira de Letras. Durante 60 anos ela foi a única disponível no mercado.

- As ilustrações do livro foram feitas pelo próprio autor.

- No Japão existe um museu dedicado ao Pequeno Príncipe. Já na França existe um parque de diversões inspirada no principezinho.

- O livro já ganhou 3 versões para o cinema. Uma em 1967, outras em 1974 e a mais recente em 2015.

- É o livro mais lido na língua francesa.

- Nos anos 70, no Brasil, o livro recebeu o apelido de "livro de miss". Isso deve-se ao fato de que ele era constantemente citado nos concursos de misses como o livro de cabeceira das candidatas.

- A primeira lua de asteroide, descoberta em 1993 foi batizada de Petit-Prince.

- Em 1993, a França lançou notas de 50 franco com a imagem de Antoine de Saint-Exúpery. Foi uma homenagem aos 50 anos da publicação de O Pequeno Príncipe. Um dos lados da nota trazia a imagem do escritor, e o outro lado uma imagem do avião pilotado por ele quando caiu no deserto da Saara ao lado da imagem de seu mais famoso personagem.






Nenhum comentário:

Postar um comentário