Resenha: A GUERRA QUE SALVOU A MINHA VIDA (Kimberly Brubaker Bradley)

"Você é perfeitamente capaz de aprender. Não dê ouvidos a quem não conhece você. 
Escute o que sabe. Escute a si mesma."

Meu Deus! Que livro sensacional. Estou encantada com essa história, acho que todo mundo deveria ler, é simplesmente lindo, é triste em algumas partes, mas é uma história incrível que certamente vai cativar o seu coração.

A guerra que salvou a minha vida vai contar a história de uma menina com mais ou menos dez anos de idade chamada Ada, que vive em Londres no fim dos anos 30 com a mãe e o irmão mais novo. Ada nasceu com uma deformidade no pé esquerdo, chamado pé torto, por isso ela não consegue apoiar o pé completamente no chão e não anda. A mãe de Ada tem vergonha de ter uma filha com uma deficiência e por isso não permite que a menina apareça em público. 

Ada nunca saiu de casa, ela vê o mundo através de uma janela. Ela vê seu irmão Jamie, de seis anos, sair e brincar com as outras crianças, mas ela não pode ir. Ada não anda, ela se rasteja pela casa e é obrigada a preparar o chá para a mãe e a limpar a casa, mesmo com suas dificuldades de locomoção.  Além de viver presa, Ada é constantemente maltratada pela mãe, tanto com palavras quanto com agressões física.Quando faz algo que a mãe considera errado, a menina é trancada num armário embaixo da pia, um local pequeno, úmido e cheio de baratas que sobem pelo rosto da menina. A mãe negligencia as duas crianças, elas vivem com fome e sujas, pois raramente tomam banho.

"A Mãe nunca me tocava, exceto para me bater."

Um belo dia Ada decide tentar andar, ela acredita que se a mãe a vir andando vai deixa-la sair de casa. Então todos os dias, assim que a mãe sai para o trabalho e Jamie vai para escola, a garota tenta ficar de pé se apoiando nos moveis e treina seus primeiros passos.

Estamos no final dos anos 30 e a Segunda Guerra Mundial esta prestes a explodir, por isso o governo inglês decidiu mandar as crianças para o interior, a fim de protege-las já que Londres pode ser bombardeada a qualquer momento. É claro que a mãe não pensa em mandar Ada, a menina não sai de casa, ela terá que ficar em Londres com ou sem bomba.  Mas Ada quer ir, ela vê que essa é a oportunidade de finalmente sair, de conhecer o mundo. Então no dia agendado, ela e Jamie saem de casa bem cedo e vão para escola onde as crianças estão sendo organizadas para serem levadas de trem até o interior da Inglaterra.

Ada e Jamie vão para uma cidadezinha no interior, onde as crianças são destinadas a lares provisórios. Por serem crianças desnutridas, sujas e por Ada ter uma deficiência ninguém quer ficar com eles, mas a inspetora acaba os levando até a casa da Srta. Smith e obriga a mulher a acolhe-los. 

"Então o salão ficou vazio, exceto pelas professoras, a mulher de ferro, o Jamie e eu. A Mãe tinha razão. Ninguém queria a gente. Fomos os únicos que não tínhamos sido escolhidos."

A partir dai a história fica encantadora. Ada começa a conhecer o mundo, a conhecer as coisas e principalmente a conhecer o afeto, o carinho e os cuidados que uma criança merece. A Srta Smith não queria crianças porque passa por momentos depressivos devido a morte de sua amiga, mas é justamente a presença das crianças que vai ajuda-la a voltar a ter gosto pela vida.

Me emocionei muito com a história de Ada, essa garotinha me cativou completamente. A história é narrada por ela, então a gente consegue entrar dentro da cabeça dela e é doloroso ver como uma criança que passou a vida toda sendo humilhada e maltratada pela mãe se sente. Mesmo quando recebe carinho e atenção da Srta. Smith, Ada se retrai, ela acha que não é digna de receber carinho porque ele é "um monstro" como a mãe sempre lhe disse.

"A voz da Mãe ecoou em minha cabeça. Sua porcaria horrorosa! Lixo, imunda! Ninguém quer você com esse pé horrível."

Essa é uma daquelas histórias encantadoras, que toca fundo no seu coração. Não tem como não se emocionar, com certeza seus olhos vão se encher de lágrimas em diversas passagens desse livro. É lindo demais.

O livro retrata a realidade que muitas crianças viveram naquela época ao serem tiradas de suas famílias para viverem em lares temporário. O governo pagava para as famílias receberem essas crianças, então muitos viam isso como uma fonte de renda e muitas crianças eram negligencias e maltratadas. Também vemos que com o passar do tempo (a segunda guerra durou de 1939 à 1945) as famílias levavam seus filhos de volta a Londres por não querer ficar longe deles e acabavam expondo as crianças ao risco dos bombardeios.

"Enfim eu compreendi qual era a minha luta e porque eu guerreava. A Mãe não fazia ideia da forte combatente que eu havia me tornado"

O livro é da editora Dark Side, então a gente já sabe o capricho que a edição tem. Esta tudo muito bonito, capa dura, marcador de fita, ótima diagramação e a contra capa é sensacional.


Nenhum comentário:

Postar um comentário