Resenha: ECOS (Pam Muñoz Ryan)

"A Música a encheu de contentamento e de uma sensação de que tudo poderia, de uma vez por todas, ser melhor".

Estou encantada com esse livro, além de esteticamente ser lindo, a história, ou melhor as histórias são sensacionais. Não tem como não se apaixonar por esses personagens e sentir a magia da música correndo pelas páginas.

Ecos conta três histórias que se passam em lugares diferentes mas que estão ligadas por uma gaita mágica. 

O livro  começa com um menino chamado Otto brincando de esconde esconde numa floresta com os amigos. Enquanto ele esta escondido resolve dar uma olhada num livro que tinha comprado de uma cigana mais cedo. Otto lê o primeiro capitulo do livro que conta a história de três irmãs que foram aprisionadas por uma bruxa e que só podem sair se o espirito delas estiver dentro de um instrumento musical. Quando termina o primeiro capitulo Otto percebe que não sabe mais onde esta, a floresta mudou e ele não sabe como voltar para casa. Logo surgem três garotas que são nada mais nada menos que as três irmãs da historia que ele acabou de ler. As irmãs prometem ajudar Otto a achar o caminho de casa e em troca ele deve leva-las com ele, dentro de algum instrumento para que um dia elas possam ser libertadas. Otto tem apenas uma gaita que a cigana lhe deu e assim ele transporta as irmãs e volta para casa.



A primeira história se passa na Alemanha em 1933 onde o menino Friederich tem que lidar com a implicância dos meninos da escola por causa de uma marca que cobre metade de seu rosto e pelo fato dele ficar regendo no ar. Friederich tem um talento musical incrível e sonha em ser maestro, sempre que ele esta com uma música na cabeça, ele levanta os braços no ar e começa a reger.  Um dia o menino encontra uma gaita com uma letra M marcada e quando a toca sente como se a música o preenchesse por completo, o som daquela gaita é diferente, é mágico. 

Os sonhos do jovem Friederich começam a ser destruídos com a ascensão de Hitler. Apesar dele ser alemão legitimo, a marca em seu rosto indica, ao olhos dos nazistas, que ele tem um "defeito" e é um risco para a nação pura e perfeita que Hitler deseja para a Alemanha.


"Quanto mais ele tocava, mais o ar a sua volta parecia pulsar de energia. Ele se sentiu protegido pela capa da música, como se nada pudesse atrapalhar seu caminho."


A segunda história se passa na Filadélfia, EUA,  em 1935, onde os irmãos Mike e Frankie vivem num orfanato desde que a avó, muito doente, os deixou antes de morrer. A avó era professora de piano e ensinou os netos a tocar e quando percebeu que não tinha mais como cuidar deles escolheu um orfanato com piano para colocar os dois. 

Frankie é mais novo e alguns casais já quiseram adota-lo, mas os irmãos se recusam a se separar. O medo da separação fica maior quando eles descobrem que a responsável pelo orfanato vai mandar as crianças pequenas para outro lugar para poder receber mais crianças maiores, que lhe rendem mais dinheiro, já que os maiores de 14 anos podem trabalhar nas fazendas locais.  Um fio de esperança aparece quando o advogado de uma mulher rica aparece no orfanato querendo adotar uma criança que tenha talento musical. Ao ver os irmãos tocarem o piano lindamente o advogado resolve adotar os dois e assim eles vão para uma mansão sonhando em ter uma família. As coisas não são tão fáceis já que a mulher queria uma menina e o que chega em sua casa são dois meninos. Um belo dia os meninos passam por uma loja de gaitas que tem um concurso famoso e querem participar. O advogado, que cuida muito bem dos garotos, não inscreve eles no concurso, mas decide comprar uma gaita para cada um. Mike pega uma gaita que chama a sua atenção, por ser um pouco diferente as outras, ela tem uma letra M marcada e um som extraordinário.


" Sabe as vezes eu me sinto culpado por termos tantas coisas bonitas agora, quando várias outras crianças não tem nada."


A terceira e última história se passa na Califórnia, EUA, em 1942 onde uma menina chamada Ivy, que é filha de imigrantes mexicanos mora com os pais, que vivem se mudando. Fernando, irmão de Ivy esta lutando na guerra e a família toda teme que o pior aconteça. Ivy esta bem adaptada na cidade em que estão e treinando para uma apresentação no rádio. No primeiro dia de aula, a professora informou aos alunos que eles teriam aula de musica, ela levou para sala de aula uma caixa com varias gaitas doadas e deu uma para cada aluno. A gaita de Ivy tinha uma letra M gravada e quando a menina começou a tocar todos ficaram de queixo caído. Depois de meses ensaiando Ivy vai tocar um solo na rádio e esta muito feliz, mas essa felicidade termina quando o pai avisa que eles estão de mudança de novo.

Devido ao recente ataque dos japoneses a base americana de Pear Harbor o governo americano esta levando todos os japoneses que vivem nos Estados Unidos para fazendas, com medo que eles possam ser espiões. Com isso as terras que pertenciam a essas famílias ficam abandonadas e se os impostos não forem pagos eles perdem a propriedade.  O pai de Ivy foi contratado para cuidar de uma dessas terras até que os donos japoneses voltem e assim a família se muda para a Califórnia.

"Ela fechou os olhos e se sentiu flutuar na noite mais escura, entre os cristais cintilantes... Uma a uma, as crianças pararam de tocar par escutar, até Ivy ser a única que continuou tocando."


As três histórias são encantadoras, a autora mistura fatos reais numa história de ficção movida pela música. A edição esta belíssimas, as cores, a diagramação e as imagens são espetaculares. Um livro gostoso de ser lido, uma fabula musical como você nunca viu. Vale muito a pena conferir.


Nenhum comentário:

Postar um comentário