Resenha: EDGAR ALLAN POE - MEDO CLÁSSICO

"É meia noite. As asas de um corvo se misturam à escuridão. A velha casa em ruínas observa com janelas que parecem olhos. Você jura ouvir a voz de alguém que já partiu para o outro lado, bem na hora em que um gato preto cruza seu caminho".

Esse livro ta lindoooooo. Essa capa é maravilhosa, quero parabenizar muito a editora Darkside por sempre nos proporcionar essas capas lindas.

Bem, esse livro é uma coletânea de 15 contos de Edgar Allan Poe, e como vocês sabem são contos de terror. As ilustrações são belíssimas, ou melhor dizendo assustadíssimas.  Além dessa capa com a caveira  e os corvos que está sensacional, no inicio de cada conto tem uma ilustração sempre nesse clima sombrio característico de Poe. A parte de trás do livro tem uma fotografia do próprio Poe em uma moldura que parece um túmulo e dá um certo medinho de olhar.

Aqui encontramos os contos mais sombrios e macabros de Poe como por exemplo "O gato preto" que eu acho um dos mais assustadores. Temos também o "Baile da morte vermelha" , "O poço e o pêndulo" entre outros. O livro trás ainda os três contos do detetive Dupin, considerado o pai dos detetives literários, pois foi a inspiração para Arthur Conan Doyle criar seu famoso Sherlock Holmes.

O livro esta dividido em partes:

- O espectro da morte (contos sobrenaturais)
- Narradores homicidas (assassinos sanguinolentos)
- Detetive Dupin (casos resolvidos pelo famoso detetive)
- Mulheres etéreas (homens convivendo com a morte de suas amadas)
- Ímpeto aventureiro (contos que não são tão assustadores)

Além disso, o livro conta ainda com uma super edição do mais famoso poema de Poe, O Corvo.
Primeiro vem uma introdução onde o próprio Poe conta como foi o processo de escrita do poema. Em seguida vem o poema na versão original (em inglês) seguida de duas traduções em português. uma feita por Machado de Assis e a outra feita por Fernando Pessoa.
Esse livro sem duvida nenhuma é um presentão para os fãs de historias de terror.

Nenhum comentário:

Postar um comentário